Um cabra da peste em Barcelona

Estive em Barcelona para fazer um estágio internacional do Doutorado, como pesquisador convidado na Universitat Autònoma de Barcelona. Aqui vou fazer relatos desta experiência, tanto acadêmica como extra-acadêmica para que meus amigos possam acompanhar o trajeto que realizei durante estes quase cinco meses. (Veja também www.fotolog.net/juciano)

quinta-feira, novembro 10, 2005

Cúpula França-Espanha e o frio chegando em Barcelona

Estes dias foram duros, em casa, revisando monografia de minha orientanda em Joinville e colaborando com dicas no projeto de mestrado da Sabrina, que foi minha aluna, e estou torcendo para que ela seja selecionada no mestrado da Unisinos. Tem perfil de pesquisa, tem um bom texto e é uma ótima profissional no campo jornalístico e já publicou em revista acadêmica. Bons fluídos para ela! Vou torcer por você, Sa, daqui de Barcelona!

Também estou contactando meus entrevistados do projeto Brasil-Espanha e preparando minhas atividades de pesquisa de campo, com ajuda do meu colega Bruno Fuser, já inculturado nos telecentros daqui. Ainda tenho que mandar um documento para minha orientadora. Espera um pouquinho Amparo que já estou fechando (risos).

Aqui, estou percebendo que no Brasil temos gente boa, divertida, inteligente, que tem boas saídas para problemas complicados. Temos bons produtos industriais etc. O que nos falta são preços competitivos no mercado local, pois nos privam de consumir certos produtos com preços tão abusivos e também temos uma distância muito grande entre quem ganha quase nada, ou nada, e os que estão no topo. Por aqui, eles têm uma classe média mais ampla, há um maior equilíbrio na distribuição da renda. Precisamos disso urgentemente no Brasil, para decolarmos no plano internacional. Chega de políticas que só armazenam dinheiro para o FMI. Investimento em educação já!

E por fim, um trechinho de um poema do Álvares de Azevedo, que gosto.
Beijos e Abraços!

Tenho por meu palácio as longas ruas;
Passeio a gosto e durmo sem temores;
Quando bebo, sou rei como um poeta,
E o vinho faz sonhar com os amores.

O degrau das igrejas é meu trono,
Minha pátria é o vento que respiro,
Minha mãe é a lua macilenta,
E a preguiça a mulher por quem suspiro.

Escrevo na parede as minhas rimas,
De painéis a carvão adorno a rua;
Como as aves do céu e as flores puras
Abro meu peito ao sol e durmo à lua.

Sinto-me um coração de lazzaroni;
Sou filho do calor, odeio o frio,
Não creio no diabo nem nos santos...
Rezo a Nossa Senhora e sou vadio!

Ora, se por aí alguma bela
Bem doirada e amante da preguiça
Quiser a nívea mão se unir à minha,
Há de achar-me na Sé, domingo, à Missa.

- Fragmento de "O vagabundo", de Álvares de Azevedo -

1 Comments:

Anonymous soninha said...

Oie de novo! Tava com saudade de ouvir um poema. lendo parecia ouvir tua voz. Beijos amigo.

12:47 AM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home